Comportamento, Crônica

Dengo casual

Outro dia, estava olhando a timeline no facebook e me deparei com isso:

dm1fvi_xgae0vrn

Casual -> Google -> Pesquisar:

adjetivo de dois gêneros
  1. 1.
    que depende do acaso, que ocorre por acaso; fortuito, eventual.
    “conhecimento c.”
  2. 2.
    pouco frequente; ocasional.
    “cliente c.”

Demorei um tempo pra assimilar tudo isso… Porque, pra mim, leitora de Bauman, é triste ver para onde estamos caminhando: relações cada vez mais líquidas. “Dengo casual” é tão ruim e vazio quanto o próprio “sexo casual”. O Universo definitivamente me colocou na década errada. Cada vez menos me identifico com a minha geração e isso tem sido frustrante.

Talvez, a última pessoa com quem eu me envolvi estivesse nessa vibe. A gente não marcava encontros com muita antecedência nem nada especial. A gente simplesmente se encontrava. E andávamos de mãos dadas, trocava carinho, falava coisas fofas. Até que começamos a ver netflix, comer brigadeiro, trocar memes e acredite: conhecer a família.

E eu tenho a necessidade de dar nome pra tudo. Eu tenho a necessidade de definir o que as pessoas significam pra mim e assim dar a importância e atenção que merecem. Mas eu não fazia ideia do que estava acontecendo nessa última relação porque o sexo nem era uma prioridade. Era dengo casual. E eu não vou dizer que foi uma bosta porque eu acabei com isso a tempo de não me machucar.

Sim, eu estava planejando me apaixonar e viver uma história de amor dessas que não cabem em uma crônica. Ela,  porém, não estava nessa vibe. Ela é mais da geração “dengo casual”. Posso fazer um pedido? Vou fazer:

Antes de tratar alguém como mozão, explica pra pessoa que ela é só um contatinho. Pode ser 99% anjo perfeito, mas avisa que você tem aquele 1% vagabundo que assim se evita ser uma grande decepção. 

Pessoas, como eu, precisariam se diminuir para dividir espaço no coração de alguém. Imagina você viver sempre encolhido? Não, não é isso o que eu quero pra mim. E eu confesso que não vejo muito sentido também no dengo casual porque… Bem, eu não preciso de alguém pra ficar junto de vez em quando. Eu me basto. Eu me dou carinho. Eu me acho bonita, legal e inteligente o suficiente. Sério. Eu não preciso de alguém pra me dizer isso apenas quando quiser um beijo e sorriso em troca.

Então não me venha com a proposta da gente curtir e ficar junto pra querer se livrar de mim no dia seguinte por, talvez, tenha outra pessoa com hora marcada pra chegar na sua casa. Cada dia que passa, eu sinto menos falta de receber mensagens de “bom dia” e “não vou fazer nada, vamos nos ver hoje?”. Eu sou cardisplicente, mas nem tanto pra deixar você ocupar meu coração aos pouquinhos com suas duas horas por semana que se transformam em vinte e quatro pensando em você em todos os dias do mês.

^-^ Me conta o que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s