Publicado em Comportamento, Crônica

Século XXI – Mulheres “acessíveis”

tumblr_static_tumblr_static_filename_6401

Andei questionando “o que seria uma mulher fácil?”.

Será mesmo que fazer sexo no primeiro encontro torna uma mulher fácil? Será que correr atrás quando o cara sequer te mandou mensagem no dia seguinte é ser “dada” demais? Será que convidar pra sair de novo é vacilo porque faz parecer mais acessível do que deveria?

Outro dia, estava conversando com uma amiga sobre isso: as mulheres do século XXI. Acessíveis demais ou bem resolvidas consigo mesmas? Eu não vejo o porquê se importar tanto com os preconceitos sociais se você se sente confortável para assumir seus desejos. Tudo bem que você pode ser criticada por isso ou desvalorizada até mesmo pelos caras com quem você saiu. A questão é que ser bem resolvida, objetiva e livre assusta de certa forma.

Mas o que venho te contar é que você não deveria se privar de viver sua filosofia de vida por interrogações anacrônicas. A mulher do século XXI pode ser o que ela quiser e, acima de tudo, é digna de respeito por isso. Se você não está fazendo mal a ninguém, não tem porquê se reprimir.

Ser acessível está perdendo seu significado pejorativo. Ser acessível é estar disposta a fazer aquilo o que você realmente quer. Agora, caso não queira, não precisa. E você não será nem mais nem menos mulher independente das suas escolhas. Entenda isso e apenas deixe ser.

Publicado em Comportamento, Pessoal

Metamorfoses

dadasa

Olá, gaveteiros!! Faz um tempinho que não faço posts mais pessoais. Vou deixar meu eu lírico um pouco de lado para conversar com vocês. Estou ouvindo Kid Abelha, cura para minhas decepções. Eu estou bastante chateada por estar gripada e tenho um textão chato pra ler e resumir.

Enfim, como que vocês andam? ❤

Não vou mentir: mesmo com alguns textos chatos, a graduação tem sido maravilhosa – na medida do possível – em todos os aspectos. Mas, especificamente, nesses últimos dias, eu tenho me sentido um pouco estranha. Okay, é comum que eu me apaixone toda semana, porém quando isso não acontece, é como se eu sentisse um “vazio”.

Eu fico procurando por coisas e pessoas pra ficar apaixonadinha o tempo todo. É como se fossem o combustível das minhas crônicas. Porém, andei pensando que é uma fase a ser aproveitada: estar de boa com todo mundo e comigo, o que é bastante raro. Porque, olha, embora os efeitos sejam bons, é uma droga estar apaixonada de verdade. É sério!

Quero dizer, é interessante ter sempre uma nova história para contar, qualquer mensagem parecer novidade, ter encontrinhos, conhecer alguém de outra perspectiva e outras coisinhas. Mas, parando por aí, o resto não é nada legal. Ah, eu preciso seguir mais a filosofia de Aristóteles e encontrar o equilíbrio na vida. Eu sou muito intensa, 8 ou 80. Isso faz mal, na maioria das vezes.

Eu entendo que eu vivo falando de sentimentos e não tenho ideia se isso parece ser sufocante pra quem escuta ou lê. Mas a gente costuma notificar aquilo o que vivemos, não é? E eu percebo que em quase tudo que eu faço eu sou movida pelo o que estou sentindo. Começando pelo próprio blog e o meu curso. Porque, pra mim, não existe motivação em ser racional com relação a fim. Não me convence pensar daqui 30 anos se eu estou sujeita a metamorfoses até lá.

Ser racional é pensar muito no que o agora reflete no futuro e não faz sentindo pensar em futuro se eu não tenho ideia de quanto tempo falta para chegar lá. Eu me baseio mais em um “você só vive uma vez” e ponto: .

E eu me permito sentir o que eu preciso sentir porque isso, pra mim, é viver. Eu me permito descobrir com meus próprios olhos e correr riscos pra aprender alguma coisa nova e me reinventar no meio de um possível caos. Eu sei que talvez seria bom seguir mais os conselhos dos mais sábios. Contudo, cada vida é uma vida diferente da outra. Me deixa tentar e me deixa ser eu mesma manifestando o que se passa no meu coração. Isso importa pra mim. Não me peça pra ser menos, pra mudar de assunto, pra não ser tanto como eu prefiro ser.

 

Publicado em Comportamento, Curiosidades, Música

Gaga’s day

houston-lady-gagas-super-sunday-super-bowl-li-feb-2017-lady-gaga-at-super-bowl-li_160937

“Algumas mulheres escolhem seguir os homens, e outras escolhem seguir seus sonhos. Se você está se perguntando em qual direção seguir, lembre-se de que sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais.” – Lady Gaga

Começando o post de uma maneira diferente, queria venerar Lady Gaga publicamente. É aniversário dela e a citação acima foi um dos conselhos que eu ouvi no comecinho da minha adolescência e não esqueci nunca mais.

Talvez vocês tenham percebido que eu já não escrevo tantos romances ruins quanto antes. Quando eu era mais nova, eu queria casar com uma carreira que não sabia direito como nem qual. A questão é que está acontecendo o que eu tanto almejava. E quando termino mais um “bad romance”, eu fico de boas porque eu tenho a certeza que meus livros continuam no mesmo lugar e eles são apenas uma ponte para a carreira que estou sonhando.

É engraçado isso sobre as pessoas terem um certo “preconceito”. Aposto que a maioria de vocês não imaginava que Gaga poderia ter me influenciado de alguma forma. Eu poderia me estender muito mais sobre as coisas que aprendi com ela. Mas acho que tudo se resume em aprender ser “forte” e autoaceitação.

Happy Gaga’s day, gaveteiros and little monsters. ❤

Publicado em Comportamento, Crônica

O padrão perfeito

tumblr_mmfeatphmc1qa5n0go1_500

Escrevi ouvindo Shape Of You – Ed Sheeran

Uma das coisas que parei de insistir foi parar de tentar agradar todo mundo. Isso é impossível!

Quando algum grupo não gostava de mim, eu ficava procurando resolver meus vários defeitos. O que acontece é que só é defeito dependendo da perspectiva. Por exemplo, eu sou muito espontânea. Algumas pessoas gostam disso, outras não. Eu sou só uma, não posso ser duas (caso contrário, deixaria de ser eu). Humanamente, é impossível agradar a todo mundo.

Mas eu cresci achando que eu deveria ser uma pessoa “melhor”. Com isso, eu imaginava que eu sempre era a problemática em questão. A partir do momento que eu encarei meus conflitos internos, eu percebi que nunca ficaria em paz enquanto eu me preocupasse tanto em me encaixar num padrão.

Aliás, ainda existe padrão?

Ainda há pouco, eu estava ouvindo uma playlist de funk e agora estou na playlist de românticas internacionais.

Enfim, a gente precisa se aceitar mais e admitir ser único. Existem pessoas que vão nos abraçar e nos dizer o quanto somos especiais. Conheço algumas que me acham até “fofa” quando estou explodindo de estresse. Elas me vêem com óculos cor-de-rosa e isso é tão amável. E eu conheço outras que nunca tiveram oportunidade de me conhecer de verdade e não gostam de mim. Também existem as que conheceram e não gostaram. Isso é absolutamente normal; eu também detesto um montão de gente. Tudo bem assim, se colocarmos o respeito em primeiro lugar.

Se não fosse me incomodar, eu tatuaria “me dá um chance de te fazer sorrir” na minha testa para que quem nem me conhecesse tivesse a oportunidade 0800 de perceber que eu posso ser gente boa. No entanto, fica o mistério no ar. Todo mundo tem o seu. Eu, na verdade, costumo ser um livro bem fechado. Você só leria se tivesse muita curiosidade e soubesse persuadir. Porém, eu adoro contar histórias.

Acho bobagem imaginarmos que poderia existir um padrão perfeito. Eu lembro que quando eu era mais nova, eu idolatrava tantas garotas e até queria ser amiga delas. O que aconteceu é que elas nem me queriam por perto. Depois de um tempo, eu percebi que a gente merece ficar perto é de quem gosta da gente e, por essas pessoas, vale a pena fazer um esforço para fazê-las mais felizes.

Publicado em Comportamento, Crônica, Diário

Transbordando

tumblr_odaqvkrqyk1ug2e72o1_500

Olá, gaveteiros. Como vocês estão?

Se algum de vocês conversassem com a Blenda de 2015 e a contasse que ela deixaria de ter vergonha de assinar as próprias crônicas – se escondendo atrás do seu pseudônimo – e escolheria o curso que sonhava sem medo de ser feliz, ela não acreditaria! Ela bateria o pé e diria “claro que não“, achando muita graça.

Eu não sei explicar exatamente o que aconteceu no caminho. Foram tantos baixos que eu cansei. Eu queria conhecer os altos também. Eu colocava limites sobre mim mesma e eles deixaram de fazer sentido quando eu me dei asas para me conhecer melhor.

(E agora nem as fronteiras serão meus limites “R.I pra não chorar!” hahsuahs).

O que eu quero dizer é que eu ainda estou me adaptando a essas mudanças internas e exteriorizando sem perceber. É como se eu me sentisse livre, completamente livre para correr atrás dos sonhos que há um tempo eu nem sabiam que existiam dentro de mim e que seriam mais possíveis agora.

Às vezes, numa situação de insatisfação, é preciso arriscar. É preciso ter coragem. É preciso autoconfiança. É imprescindível abrir os braços às oportunidades e se aceitar como suficiente para fazer bom proveito delas. Não é justo sermos menos do que queremos ser. A gente precisa viajar no mundo da lua, de vez em quando, e redescobrir a criança que não tinha medo do mundo e acreditava que poderia fazer dele o que quisesse.

Eu não ando escrevendo com tanta frequência. Talvez eu esteja na fase de preferir ouvir e ler mais. Aliás, eu adoro ouvir histórias. Estou num momento de encarar que eu tenho muito a aprender, não só com livros ou aulas, mas com as pessoas. Estou me doando mais desde diálogos corriqueiros às discussões mais profundas.

Eu não quero escrever por escrever. Eu quero escrever para mudar – e, se eu for boa o suficiente, melhorar – o dia de quem me lê e eu mesma, claro. O blog, os meus leitores, significam muito pra mim e se não for para escrever com todo o meu sentimento, eu posso desaparecer por alguns dias, mas eu volto quando estiver transbordando! ❤

Enfim, só para não pensarem que eu não me importo – ou coisa do tipo – eu vou contando para vocês sobre minha nova fase (não só universitária, como a Blenda que está amadurecendo) e, para quem gosta de Instagram, ficarei pertinho de vocês pelo @cronicasdagaveta. Um abraço de urso e até o próximo post! 😉

Publicado em Comportamento, Crônica

Juntas, nós podemos fazer isso.

livre-para-amar-3

Escrevi ouvindo Play Date – Melanie Martinez

Ontem foi dia das mulheres e compatível também o aniversário da minha poodle Melanie e o resultado do processo seletivo da Unifap. Foram tantas coisas que não tive como separar um espacinho para publicar aqui alguma coisa. No entanto, como expressante feminista que sou: todo dia é dia da mulher. 

Sabe, ainda é complicado ser mulher no século 21. Não é só uma questão de trocar de calçada quando se sente insegura. Vai além disso. Eu sinto que ser mulher é como viver por conquistas todos os dias. É como se precisássemos constantemente provar quem somos e o que viemos fazer.

Todas as vezes que me imagino na carreira de internacionalista, é fazendo representatividade não só dos interesses particulares pelos quais fui contratada ou concursada, mas também da mulher brasileira, a mulher guerreira. Aquela mulher que se doou ao máximo para passar no vestibular, que contou os centavos para as xerox, que pegou muitos ônibus, que precisou ouvir cantadas ridículas quando saía um pouco mais arrumada de casa, que não ganhou nada de graça, que foi à luta.

Ser mulher e conquistar um destaque no que se faz não é fácil. Às vezes, somos cercadas por intimidações que nos fazem questionar se somos boas o suficiente. Ser mulher também é ter muitos sonhos e tentar arrumar um “jeitinho” para dar conta de todos eles: seja uma carreira, família, um lar, uma viagem ou todos juntos numa vida só.

Fazer parte desse time, é uma dádiva. Nós, mulheres, podemos fazer o que quisermos. É só uma questão de conquista. Se temos, hoje, privilégios de direito de voto, educação e até trabalho é porque grupos feministas lutaram por isso. No entanto, nossas vitórias não acabam por aqui. Existe, a cada dia, um espacinho a ser conquistado. Não é apenas uma questão de gritar o que queremos, mas caminhar para o encontro dos nossos desejos. Eu acredito na minha geração. Juntas, nós podemos fazer isso.

Publicado em Comportamento, Tutorial

Tutorial: Como ser um solteiro sensacional?

solteiro

Olá, gaveteiros. Esse é o meu post especial de carnaval, espero que gostem. Leiam escutando Tô sensacional ! 😉

Estava com saudades de uma sessão terapêutica com vocês. Da última vez, eu descobri que ajudei algumas pessoas, o que deixou bastante realizada a ponto de trazer a parte 2. Pensei várias vezes sobre como escrever. É mais difícil falar do assunto fora da ficção. Sem mais delongas: como ser um solteiro sensacional? 


Primeiramente, uma reflexão:

O que é ser solteiro no século 21?

( ) Não ser amado por ninguém

( ) Não ter com quem ficar

( ) Dor e sofrimento

( ) Todo mundo namorando, menos eu

(X) Estado civil

1_feliz

Nenhuma das outras alternativas é mais verdadeira do que a última opção. O primeiro passo é você encarar que ser solteiro é nada mais do que um estado civil. Como você se sente em relação a isso é o que vamos conversar agora.

Desde quando ser solteiro é um defeito?

alwayssingle

Culturalmente, a solteirice foi associada à solidão, à infelicidade. Lembro de ouvir conselhos, no começo da minha adolescência, do tipo “você precisa aprender logo a cozinhar, porque um dia vai casar…”. Acho que a sociedade expressa muitas expectativas em relação a uma formação de família.

Divórcio então é motivo de polêmica. Se casar mais uma vez, não presta. Se continuar sozinho é porque não é bom o suficiente. O QUÊ?

Eu conheço pessoas incríveis que estão solteiras por inúmeros motivos, assim como também conheço pessoas que namoram e estão insatisfeitas pelos mesmos motivos.

Solteiro sim, sozinho nunca!

tumblr_monwm05ajf1rzwbefo1_500

Como expressa aquele ditado, “é melhor estar sozinho do que mal acompanhado”. Certo?

Ninguém precisa ficar sozinho por aqui só porque está solteiro. Não estou aconselhando você a ir numa balada qualquer beijar algumas bocas. Não ficar sozinho é mais que isso. Na realidade, eu fui me descobrindo como uma solteira sensacional ao auge dos dezenove. Eu nunca namorava e, às vezes, ficava chateada com isso. Via amigos meus saindo no 12/06 e eu em casa abraçada com uma foto do Robert Pattinson enquanto ouvia Bruno Mars.

nolife

Entretanto, os anos passam e a gente precisa se encontrar. Eu me encontrei nos abraços de urso dos meus amigos. Eu não sou alguém de muitas amizades. O que posso garantir é que, durante toda uma vida de solteirice, eu percebi que eu não ficaria sozinha se eu não quisesse. A hora que eu preciso de alguém, eu tenho a quem ligar nem que seja pra jogar conversa fora: isso é maravilhoso.

Se você se sente sozinho, meio pra baixo, quando não está namorando, é sinal de que não tem cativado bem suas amizades. Que tal esse ser o seu próximo passo?

Seja feliz sozinho também…

83282390-fa5c-4444-a16f-84d26a9ad96f

Você sabe quem você é quando ninguém está olhando? Consegue deixar escapar um sorriso bobo quando é sua própria companhia? Já se olhou no espelho hoje é percebeu algo de bonito em você? Fechou os olhos para sentir apenas a si mesmo?

É tão complicado sermos nossas melhores companhias. Quando estou sozinha em casa, por exemplo, eu nem faço questão de caprichar no almoço. É comum que sintamos esse vazio, esse descaso com nós mesmos. Gostamos de surpreender mais as outras pessoas. A troco de quê?

Hora de mudarmos o plano. Vamos nos fazer felizes também, pelo menos por hoje. Vamos começar ouvindo nossa música preferida – não vale lembrar de ninguém, viu? – e cantar no chuveiro. Deixemos a água cair e deixar ficar nossa versão melhor. Depois disso você decide como te fazer feliz, aliás você sabe isso melhor do que qualquer outra pessoa.

“Você é perfeito do jeito que é!”

gifs-gifs-para-tumblr-36

Se você não anda ouvindo essa frase, é sinal de que está certo em estar solteiro.

O que quero dizer é que não há nada de errado com você. É claro que você tem seus defeitos. Eu também acordo mal humorada, entre outras coisas. O que não podemos aceitar é um compromisso com alguém que não nos aceite e tente nos moldar o tempo todo. É okay você melhorar por alguém, mas isso tem que vir de dentro e não por uma sentença.

Não pense em namorar pra evitar solidão. Pense em namorar para ter alguém que faça você se sentir ainda mais especial. Caso contrário, assista Netflix nos finais de semana a noite com muita pipoca. Você merece alguém que faça você se sentir perfeito. E eu acredito mesmo que existe uma pessoa perfeita pra cada uma.

tumblr_mc949zfzpj1r58acb

No entanto, o mundo é tão grande e habitado que é normal que a data demore um pouquinho ou que hajam desencontros. Mas, se isso acontece, e você notar que continua sendo perfeito, tem amigos e tem a si mesmo, eu terei a certeza de que você ficará bem. Acho que essa é a fórmula mágica para ser um solteiro sensacional. Risos.

Como estamos em clima de carnaval: preservativos and uma música pra você cantar aí.

“Por fora parece que eu tô bem
Por fora parece tá legal
Mas se você me perguntar como eu tô por dentro
Por dentro eu tô sensacional”

anigif_enhanced-14309-1437404155-2

Nossa! Esse post foi trabalhoso de fazer. Huahsuh. Um abraço de urso e até o próximo! ❤

A pergunta que não quer calar: qual foi o gif preferido de vocês? 😛