Publicado em Comportamento, Curiosidades, Música

Gaga’s day

houston-lady-gagas-super-sunday-super-bowl-li-feb-2017-lady-gaga-at-super-bowl-li_160937

“Algumas mulheres escolhem seguir os homens, e outras escolhem seguir seus sonhos. Se você está se perguntando em qual direção seguir, lembre-se de que sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais.” – Lady Gaga

Começando o post de uma maneira diferente, queria venerar Lady Gaga publicamente. É aniversário dela e a citação acima foi um dos conselhos que eu ouvi no comecinho da minha adolescência e não esqueci nunca mais.

Talvez vocês tenham percebido que eu já não escrevo tantos romances ruins quanto antes. Quando eu era mais nova, eu queria casar com uma carreira que não sabia direito como nem qual. A questão é que está acontecendo o que eu tanto almejava. E quando termino mais um “bad romance”, eu fico de boas porque eu tenho a certeza que meus livros continuam no mesmo lugar e eles são apenas uma ponte para a carreira que estou sonhando.

É engraçado isso sobre as pessoas terem um certo “preconceito”. Aposto que a maioria de vocês não imaginava que Gaga poderia ter me influenciado de alguma forma. Eu poderia me estender muito mais sobre as coisas que aprendi com ela. Mas acho que tudo se resume em aprender ser “forte” e autoaceitação.

Happy Gaga’s day, gaveteiros and little monsters. ❤

Publicado em Crônica, Música

#NoPlay: Suggestions

amar-a-si-mesmo

Nos piores, ou melhores, momentos, eu apego-me a uma música, como se fosse minha melhor amiga. A ela, sinto que posso confiar meus sentimentos. Ela descreve o que eu sinto. Então não me sinto só.

Ouvindo Suggestions, eu sinto minha alma flutuar e voar no tempo. Não que eu lembre nitidamente, mas eu vejo uns flashs de como eu era há exatos dois anos. Eu era tão insegura. Eu comecei a sentir os primeiros sintomas de uma paixão. Isso era tão errado, pra mim. Eu não deveria, embora isso não mudasse nada.

Naquela época, eu ainda não conhecia muita coisa sobre as paixões. Eu sabia que eram como um tiro no peito. Daqueles que te tiram, literalmente, o fôlego de vida. De repente, você não faz mais nada por você. É nessa hora que você precisa cair na real. Quando passamos por isso, ou afundamos mais no outro ou mais na gente. Existe uma coisa boa quando você afunda em você mesmo: você descobre o amor próprio. Logo, afasta-se daquilo que não faz bem. Foi o que eu fiz.

Sabe o clichê “as vezes coisas ruins acontecem para coisas boas virem”? Tudo pode ser uma grande lição, mesmo quando você só tem uns 16 anos. Algumas pessoas passaram por isso mais cedo ou mais tarde. Contudo, você não precisa cobrar-se tanto. Você nem precisa ser uma pessoa perfeita pra alguém gostar de você. Você também não precisa ficar sempre à espera. Você só precisa afundar-se em si mesmo e descobrir o oceano que existe em você. Permito que você entenda a metáfora como preferir.

Agora que contei minha breve historinha sobre essa música, acho que você já pode dar o play também. Um abraço de urso e até o próximo post. ❤

Publicado em Comportamento, Crônica, Música

Fantasmas

dark-darkness-girl-hair-hands-favim-com-203035

Escrevi ouvindo Here’s To Us

Às vezes, você precisa de uma música que saiba lidar com seus transtornos psicológicos. Às vezes, essa música pode envolver-te como mais ninguém. E, quem sabe, dizer as coisas que você precisa ouvir. E, talvez, sentir-se alguém novamente. Porque nossas mentes estão constantemente vulneráveis ao caos e sequer conseguimos explicar o porquê.

Eu ando chorosa quando me decepciono com as pessoas. Penso “eu jamais fiz ou faria coisa do tipo com ela”. No entanto, falta compreender mais que as pessoas estão por aqui, entre nós, para provar-nos que qualquer pessoa pode errar, qualquer pessoa pode estar ou ser errada. E, algumas vezes, somos qualquer pessoa. Não sejamos tanto assim. Não seria justo.

E dentro de nossas mentes, as mágoas funcionam como fantasmas que nos assombram e levam nossos sorrisos. Então, irrito-me comigo mesma por passar tanto tempo pensando nas coisas que não me acrescentam. Eu poderia ter menos coração. Eu deveria ter mais razão.

Mas acredito que sempre haverá uma música para salvar-nos das trevas que nós mesmos criamos. Sempre haverá uma luz para quem quiser abrir os olhos, os ouvidos, ou coração, (como preferir). Nada como o silêncio para ouvir uma boa música e colocar os pensamentos nos lugares certos. Nada como ser compreendido.

Publicado em Curiosidades, Música, Poesia, Saudações

Amor é fogo

bluebird3

Olar, gaveiteiros! (Esse “olar” com “r” foi só pra causar mesmo, haushuahs) 😛

Enfim, eu terminei minhas missões da noite mais cedo – YAY – e tava toda inspirada depois de ler algumas obras de Charles Bukowski e cá vos trago uma poesia que escrevi na emoção da música You’ve Got the Love da Florence.

Ah, ressalto que Camões é o cara para mim (cadê o respeito e os bons modos, Blair? Pois, é, o li tanto que estamos íntimos – cof cof) e, portanto, minhas poesias tendem a ser inspiradas nas dele. Boa dispersão! (Que?) 🙄


 

Você bate à minha porta

Eu grito “vai embora”

Já faz tarde

E eu não amo pela metade


 

Você não percebe que amor é fogo

E quando acaba é cinzas 

Que intoxica a alma e o corpo


 

Então vai embora

Porque eu não temo a incendiar

Se ouço você implorar

Desaparece logo da minha porta!


 

Então, só mais outra vez, volta…

E ama-me com tua outra metade

Por mais que não seja verdade


 

Quanto a escrita, dessa vez não investi no vocabulário e, sim, na espontaneidade dos fatos. Eu gosto mesmo de contar histórias, sem compromissos com a linguagem ou realidade. Às vezes é libertador fugir do padrão. (Principalmente agora que ando treinando redação quase todos os dias. Estressante: talvez SIM ou COM CERTEZA). e.e

A amor – aquele tipo eros – é mesmo é uma coisa que eu só desejo para as inimigas. BRINCS. Huahsuahs. É complicado: sofre-se e ainda sim quer amar. Pouco importa se é recíproco. Pede-se um fim só para recomeçar. Que coisa louca é o amor. Perde-se a sanidade para ganhar algum novo sentido. Sempre faz do insignificante sentido um grandioso aquele que está preso à liberdade de sentir.

É isso, eu não sei porque ando filosofando tanto. Será que estou encontrando-me em humanas? Aliás, eu sempre fui… Huahsuhas. Mas é estranho imaginar-me em algum trabalho que pouco precise de matemática. Nossa! Está bem tarde e eu já estou viajando Zzz. Então um abraço de urso para vocês porque já vou dormir. Contem o que acharam nos comentários! 😛 😉 ❤

 

 

Publicado em Crônica, Música

#NoPlay: Army

Olar ^~^

Como vocês estão? Eu estou aqui com o coração na mão, porém em paz. Ai, que sentimentos mais contraditórios. Há uma completa confusão dentro de mim agora. Tem borboletinhas brincando no meu estômago porque estou ouvindo o single Army, do novo álbum #Delirium da Ellie Goulding que saiu dia 06/11. Eu confesso que já ouvi todo o álbum e essa não é a música que melhor representa-o. É só a música que eu poderia considerar o grande hino do mesmo.

A começar, a canção faz mergulhar numa completa melancolia. E quando as notas exaltam-se, não há como não afundar nessa outra dimensão. Eu estava triste porque o novo álbum viria como uma proposta da imersão da Ellie no pop e essa música fez #Delirium não ser mais um álbum fútil no mercado. Eu realmente amei Army, entre outras músicas que nem foram escolhidas como singles.

Enfim, eu também relembrei quando conheci as primeiras músicas da Ellie. Eu estava completamente frustrada naquela noite, com o coração despedaçado. Estava navegando na web a procura de algo que fizesse eu sentir que a vida poderia ser muito mais que decepções. Eu conheci as músicas da Ellie e logo apaixonei-me. É estranho como Army relembrou-me tudo o que eu senti quando ouvi a voz dela pela primeira vez.

A voz da Ellie foi como um abraço que envolveu-me e, de certa forma, curou-me. As letras falavam sempre de amor e fez-me perceber que tudo bem sofrer pelo mesmo quando se pode elevar essa dor à arte, à música. Eu finalmente senti-me em paz com meus dramas que saíram de cena para os papéis.

“Sou a dor, sou infantil, e tenho medo

E ainda assim você me entende

Como ninguém”

Eu acredito que, no mundo, sempre vai existir alguém em quem você vai poder confiar de olhos fechados e entregar seu coração. Aquele alguém que mesmo sendo um só, fará você sentir-se com um exército do lado lutando por você, pela sua felicidade. O universo não pode ser tão perverso a ponto de escrever nossos destinos ímpares.

Enfim, como de costume, prolonguei-me falando mais de mim mesma do que da música! Huasuash. É difícil explicar uma música sem falar de sentimentos. Ouçam vocês também e apaixonem-se! ❤

“Nós dois sabemos o que falam da gente

Mas eles não têm nenhuma chance pois

Quando estou com você

Estou com um exército”

Eu ando tão sensível esses dias. Sei lá, eu poderia culpar a história que estou escrevendo. Tudo o que eu consigo imaginar agora são os meus personagens e como eles estão sentindo-se. Acho que eu estou mesmo submersa nessa história – cof cof cof. Huahsuhas.

O que sentiram com a música? Contem nos comentários. Beijinhos de luz e até o próximo post! 😉 ❤

Publicado em Curiosidades, Música

#NoPlay: Magnets

Hey, gaveteiros! Estou amando esse final de 2015 com tantos lançamentos musicais incríveis. O que trago hoje é Magnets, parceria entre Disclosure –  dupla dos irmãos Guy e Howard Lawrence – e a Lorde – nossa rainha das trevas (?)! haushahs. 

Musicalmente, Magnets é fascinante. Não foge do pop que Lorde costuma fazer. A diferença é que essa recebeu influência da música eletrônica pelo Disclosure. Aliás, ressalto aqui que o trabalho que a dupla tem feito vale a pena conhecer. Também já fizeram parceria com outro cantor talentoso Sam Smith, vencedor de vários grammys assim como a Lorde.

O que mais gostei na música foi a percussão, sem dúvidas. Também apreciei como o timbre da Lorde foi valorizado na música, coisa rara quando se trata de música eletrônica. É um dos meus timbres preferidos de todos os tempos. A cada trabalho dela, eu só fico ainda mais encantada e surpresa. É quase inacreditável como tanto talento cabe numa garota de apenas 18 anos, não é mesmo? ❤

Enfim, vamos assistir ao clipe? Dá o #PLAY 😉

Não sei se vocês sabem, mas eu sou apaixonada por direção de arte, apesar de nunca ter estudado a fundo e ter aprendido o pouco que sei na prática. Portanto, vou esforçar-me para avaliar a produção audiovisual também.

Eu curti muito como as expressões foram explícitas nesse clipe. Aquela “visão” da Lorde na hora do beijo deixou-me “como assim?”. Fez-me odiá-lo tanto a ponto de querer aplaudir a atitude final dela e da namorada dele de pés! É maravilhoso quando uma obra consegue envolver o apreciador dessa forma. * Aplausos, aplausos, aplausos *

No entanto, acho que o final deixou só um pouquinho a desejar. Esperava mais algo tipo “uma saída com estilo” da Lorde da cena, mostrando total indiferença com aquelas chamas. Se bem que o fato dela ter ficado lá, assistindo tudo, sem qualquer expressão de arrependimento foi frio demais. Retiro o que eu escrevi, eu #Amei! Huahsuhas.

Mas enfim, vou precisar confessar que, ao meu ver, o clipe ficou impecável. Eu realmente amei. Se eu tivesse que casar com algum clipe da Lorde, certamente seria com esse. 🙄

Eu poderia escrever, escrever e escrever mais sobre esse o clipe para vocês, mas não vou prolongar-me porque também quero ler o que vocês acharam. Eu, particularmente, estou saltitando de ansiedade pelo próximo álbum da Lorde, previsto para o ano que vem, e vocês? Contem aqui nos comentários. Um abraço de urso e até o próximo post. ^~^