Crônica

O que ficou pra trás

tumblr_lfp9f5icie1qfxexvo1_500

As minhas coisas já estão mais ou menos onde deveriam estar. Leia-se: não tem nada bagunçado em cima da cama para arrumar depois. Eu sei das coisas que deverei fazer nas próximas semanas para me sair bem no semestre: um coisa de cada vez, por favor e com amor. Eu sei que o passado não ficou totalmente para trás, mas que eu preciso me afastar dele ainda que isso custe muito.

É como dizem: se custa a paz, custa muito mais.

Eu tenho me aceitado como introspectiva. Eu adoro conhecer pessoas e também falar sobre mim e meus planos. Mas a verdade é que eu gosto de guardar certas coisas. Eu gosto de trancar certos sonhos. Eu gosto disso de precisar me “virar” mesmo sozinha. Eu gosto de me sentir independe emocionalmente. Entretanto, em algumas noites eu sou invadida por desespero. Eu adoro ficar sozinha. Eu odeio me sentir sozinha.

Eu preciso de companhia. É mais que querer. Eu sei que preciso. E eu procuro.

Ficar sozinha é:

uma tentativa de suicídio. 

E então percebo que eu finalmente tenho para onde correr, para quem correr. Eu percebo que, dessa vez, se eu bater em uma porta, ela se abre. E o desespero passa. E pode não ser a companhia que eu mais gostaria, mas é suficiente para eu me distrair de mim e dos meus maus pensamentos.

E logo eu posso dormir e esperar que passe até de manhã. Não me rendo a ficar no quarto. Saio, tomo um sol. Faço alguma coisa. A escuridão ficou pra trás. Ou deveria.

Anúncios
Crônica

A falta que me faz

tumblr_static_tumblr_static_filename_640

Eu tenho só vinte anos e minha vida já virou tanto do avesso que criei resistência para encontrar os erros. A bagunça virou rotina. E eu não queria admitir outra vez que precisaria mudar…

A distância entre mim e todas as outras pessoas me fez bem. É difícil precisar me sentir responsável pelos os sentimentos de outros se eu mal consigo manter os meus sob meu controle. Eu me afastei e eu poderia contar nos dedos de uma mão só quantos se importaram com essa distância (amo cada pessoa que fez isso).

Eu sou de muitos segredos que me tornaram complexa como sou hoje. Na maior parte da minha vida, eu me senti totalmente abandonada, ainda que houvesse alguém querendo cuidar de mim. Talvez porque eu me sentia jogada de um canto para outro sempre que cometia algum erro. Não era por mal. Eu era só uma criança. E hoje eu sou uma adulta que morre de medo de errar outra vez, embora “errar seja humano”.

Quando eu era menor, eu sentia falta de algo que eu nunca tive de verdade: amor de mãe. Eu sentia falta de alguém que lutaria contra o mundo por mim, que faria eu me entender melhor e me afastaria dos meus pesadelos. Eu nunca tive esse amor. Eu não sinto falta da minha mãe porque todas as vezes ela fez ao contrário do que eu esperava.

Eu odeio as datas comemorativas porque elas me lembram que eu não tenho um verdadeiro motivo para comemorar. Eu nunca senti que tinha uma família real que jamais passaria um dia sem se preocupar se eu estava bem. Os meus olhos pesam e eu não consigo dormir. Eu quero chorar até passar.

 

Passa e volta.

 

Todas vezes que gritam comigo, eu sinto como se eu tivesse vindo ao mundo no momento mais inoportuno. Eu tenho uma família desestruturada e eu me sinto problemática porque eu cresci ouvindo que o problema sou eu. Eles geraram um problema. Eu cresci com complexo de inferioridade e não sei lidar bem com elogios até hoje. Eu choro todas as vezes que alguém me diz o oposto do que ouvi a vida toda.

Mas, aos dezenove anos, eu tive a sorte de encontrar uma família inteira em uma pessoa só. Eu namoro com essa pessoa até hoje. E, por ela, eu enfrentaria o mundo também porque sei que ela faria o mesmo. Em algumas crises, eu me encontro pensando que talvez eu a cobre demais e certamente eu acabo a ferindo com a minha ansiedade, agressividade e até depressão.

Por mim, a vida não teria sentido algum e eu abriria mão agora mesmo se não tivesse encontrado esperanças em alguém.

 

Crônica

Cá estou

tumblr_m0sq2tkhgs1ql2kcho1_400

Eu sabia que deveria voltar a escrever. Transbordou tanto que pareceu vazio, na verdade: sombrio. Nem só de palavras bonitas se faz uma poesia, nem apenas de humor se constrói uma crônica. Me dei conta de que o que escrevo vem de dentro porque é de coração. Muitas coisas aconteceram desde então. E nada escrevi.

Não escrevi e não foi por falta de sentimento. Foi simplesmente por não saber por onde começar! Eu me senti perdida e sozinha com tantas coisas para pensar. Eu tentei expressar: lágrimas, desespero, depressão e nem uma palavra sequer saiu. Silêncio. O silêncio corrói em arrependimento por não ter tido coragem de dizer na hora que calei. O silêncio denuncia a autodestruição…

A qualquer momento.

 

3

 

2

 

Até que talvez eu possa respirar e resolver um problema de cada vez. São muitos. Não dou conta. E tudo desmorona em cima de mim. Ser forte ou desistir?

Cá estou. O tempo será incerto. Mas por vontade própria decido ao menos tentar mais uma vez.

Crônica

É tempo verbal

tumblr_static_tumblr_static_1sbtdys9nmlcgww8kgkk4k88o_640

Poderia ter sido diferente, poderia ter sido pra sempre. Poderia: futuro do pretérito condicional. Eu poderia, mas aconteceu alguma coisa no meio do caminho porque agora já não posso mais. Não é tão simples. É gramática. É tempo verbal. E, em alguns casos, é você e eu tentando entender o porquê.

Até alguns meses, eu adorava o twitter. Eu entrava lá e as horas voavam. E agora eu já não entro mais. É como se eu não tivesse mais curiosidade sobre a vida alheia e não me importa tanto desabafar com estranhos. Eu mudei das coisas mais simples ao amor. Mas, sobre o amor, eu não quero admitir que mudei por sua causa. Mas foi.

Quem você encontrou foi uma menina insegura com a própria forma de expressar o que sente, com o próprio corpo, com os próprios princípios e você fez ela se sentir amada como ninguém teve a paciência pra fazer. E você conquistou o coração dela e vocês ainda tinham todo o tempo do mundo para fazer planos juntos. Vocês poderiam ter feito. No entanto, alguma coisa aconteceu…

O tempo verbal não engana. Algo aconteceu no passado que atrapalhou o futuro. E o que parece é que estamos presos nos nossos erros. Não conseguimos viver o presente devagar. Queremos atropelar os passos e avançar sinais antes de ter certeza do que sentimos, do que queremos e do que podemos. Nós não poderíamos nada agora, porque o agora é o tempo presente pra gente.

Se ao menos fosse fácil esquecer de tudo, concentrar só em você me fitando. Não é fácil. Eu olho pra você e lembro de você tentando discutir comigo até me fazer chorar como uma criança assustada presa num pesadelo. Você era minha maior alegria do dia e se tornou minha maior dor. O coração está apertado escrevendo. O coração de humanas que não sabe mensurar se quer te deixar ou ficar com você. Então, você deve começar a me ajudar a pensar com o seu – tão diferente do meu.

Eu não quero ir embora, mas cada palavra mal dita me afasta mais de te amar. Se for preciso, o silêncio já é suficiente se teus olhos ainda forem capazes de me distrair com o amor que eu via neles apenas pela forma como você me olhava. Mas isso era no passado e o tempo demora e faz tempo, o tempo não é pra sempre, o tempo é presente.

Crônica

Não é fim. É reticências…

relacionamento-fim

Há um tempo você tem me perguntado porque eu nunca mais escrevi nada… E você quer saber o que eu tenho sentido. A verdade é que eu tenho escrito escondido pra ninguém perceber quão doloroso tem sido meu amor por você.

Eu não consigo me despedir. É como se eu vivesse mais por você do que por mim mesma.  Eu deixo tudo de lado pra cuidar de você. Mas isso está me destruindo porque já não somos os mesmos de julho passado. “O inferno mais bonito” que chama? A sua paciência é menor a cada briga. Eu não consigo ouvir palavras duras sem chorar a noite toda. Eu não tenho sido forte o suficiente para continuar com você.

Não quero disfarçar meus defeitos. Eu tenho ficado mais ocupada a cada dia, com menos tempo para nossas brincadeiras de antes, mas eu ainda esperava por encontrar paz no teu abraço e insistia em te ver.

Te olhar agora já não é como antes. Eu não consigo mais ver os olhos tão bonitos de antes. O que eu vejo é o que eu sinto: tristeza. Eu me sinto triste por não sentir que você tem cuidado tanto de mim. Eu me sinto desesperada quando acordo de um pesadelo e você está do outro lado dormindo tranquilamente, sem me acolher como antes.

São os gestos mais simples de amor que me fazem falta em você. Eu já não percebo você me olhando a toa. O que percebo é você cada dia mais distraído com os olhos destinados ao celular. Você não me surpreende como uma paixão descontrolada, na qual tudo é motivo de curiosidade e um faz de conta que é novidade. É como se você só existisse do meu lado. Então, você tem deixado de ser a pessoa por quem mais espero ver no final do dia.

E eu ainda te amo por tudo o que você significou e não vou mentir que todos os dias tenho esperança de você encontrar um meio pra eu me apaixonar outra vez. Mas você procrastina. Sempre. E é isso o que eu tanto odeio. Você só se demonstra como alguém disposto a lutar por mim quando eu me disponho a te deixar.

E, sinceramente, o que eu preciso agora é estar com alguém por liberdade de escolher ficar e não por um compromisso selado. Não quero estar com você porque temos algo, mas quero estar por sentir querer.

Não é fim. É reticências, porque ainda espero por você…

Mas não por todo tempo do mundo. 

Comportamento, Crônica

Ficar adulta é isso?

flat800x680075t

Ainda há pouco, eu me queimei fazendo tapioquinha. E, sabe, depois de tantos anos, eu me machuquei sem chorar. Não tem ninguém em casa pra contar que está doendo e só água gelada pra anestesiar por alguns segundos o ardor. Ficar adulta é isso?

Será que ficar adulta é varrer a casa e lavar as roupas e louças porque ninguém mais fará isso? É comemorar quando consegue comer nos horários certos? Ficar adulta tem a ver com cuidar de si mesma porque não existe ninguém obrigado a ouvir minhas tolices e reclamações? Provavelmente…

E, depois de essa reflexão, eu quero escrever sobre se preparar para o vôo. Conforme a idade chega, as pessoas se afastam – ou nos afastamos? – vamos contando mais com nossa própria companhia – ou deveríamos. E um ponto importante a ressaltar: os anos passam e a vida encurta. O que falta para você voar?

Sério, o que você tem feito ultimamente para quando a porta da sua gaiolinha – vulgo, zona de conforto – abrir? Será que você vai saber voar ou provavelmente ficar esperando por alguém te engaiolar outra vez?

Lembro que eu escolhi cursar Relações Internacionais para bater asas pro mundo, por mim. E todo dia é um desafio estar mais perto de realizar. Quando se escolhe uma profissão que não te cobra os pés no chão, você é livre para refazer ninhos quando o clima não estiver favorável, é preciso se jogar pra aprender voar.

Pode ser que eu caia algumas vezes e tudo bem: eu vou superar. Pode ser que num dia dê tudo errado eu pense que era mais tranquilo viver engaiolada. Amanhã o ônibus pode não passar no horário e eu vou esperar por horas e eu decido se quero me estressar ou não. É provável que me critiquem por correr perigo por correr atrás dos meus sonhos ao invés de fazer o que a maioria já faz.

E tanto faz quantas vezes vão tentar cortar minhas asinhas. Eu sou passarinho e também tenho duas perninhas para correr atrás enquanto as asas não crescem e ficar adulta deve ser isso: se jogar pra voar mesmo conhecendo os riscos de não conseguir (de primeira ou segunda e até terceira vez, por que não?).

Comportamento, Crônica

Promessas que a gente não cumpre

jurasepromessas-tumblr-com

Eu adoro aquelas coisas que a gente conta que nunca vai mudar e depois faz de conta que nunca contou. Esse processo de “quebrar a cara” que nos faz repensar nas nossas promessas é algo curioso. E preferimos disfarçar que nos contradizemos. Isso já aconteceu comigo diversas vezes e me fez conhecer outras versões minhas que se tornaram minhas favoritas.

Está ainda no comecinho do ano, provavelmente você criou sua lista de promessas do ano e, olha, a vida não precisa ser uma wishlist, não precisa ser regrada. Você não precisa se cobrar e limitar tanto. Por isso, vou contar sobre algumas coisas que eu sempre dizia e não fiz. Viver é isso.


EU VOU FAZER UM CURSO DE EXATAS

Até o 3° ano do ensino médio, eu pensava isso. Eu queria me desafiar a trabalhar com números. Humanas é área de “mulherzinha”. Ah, mas depois disso eu descobri o girl power e o empoderamento o qual sentia lendo e explicando assuntos de Humanas. Humanas definitivamente é o meu mundo. Ser mulher não é pra qualquer pessoa. Ser mulher é viver desafios todos os dias, independente da área de estudos ou lugar onde frequenta.

EU NUNCA VOU DANÇAR FUNK

Tudo bem que se você olhar meu celular não tem uma música de funk, mas se tocar por aí eu até me arrisco a dançar. Ano passado, eu estava afim de me exercitar mais em casa mesmo. Procurei umas coreografias no youtube e funk era o tipo de dança que eu mais me divertia. As coisas mudam, pessoas crescem e a cabeça se abre também.

EU NUNCA VOU SAIR DO VALE

Entendedores entenderão. Mas, sabe, uma hora você fica com o coração mais aberto e você “deixa acontecer na tu ral mente” e tudo bem se contradizer. A vida aqui é só uma pra tantos amores que podem ser vividos.

CABELO RUIVO NÃO COMBINA COMIGO

Eu não sou “branca” o suficiente pra ter um cabelo ruivo. Quer saber? Eu aprendi a amar meu cabelo ruivo. Achava tão bonito nas outras pessoas e me dei a chance de viver a fase red. Assim como outras coisas do meu corpo que aceitei e outras tentei mudar.

VOU TIRAR NOTAS BOAS EM TODOS OS SEMESTRES

Ainda não reprovei em nada. Eu me cobro bastante por fazer um curso de mercado tão elitista e com disciplinas que eu gosto. Porém, não significa que o curso seja fácil. Eu aprendi a lidar com derrotas de vez em quando porque nem tudo depende de mim. Já tirei uns 4 (valendo 10) pra uma prova que estudei muito e fiquei de boa!


É muito estranho sair por aí confessando as coisas, mas é uma atitude que vale muito a pena para notar que tudo bem a gente mudar por dentro e por fora, mudar nossas escolhas e caminhos. Eu me sinto mais leve. E agora sinto mais cuidado antes de prometer qualquer coisa. É claro que minha lista poderia ter muito mais coisas, mas agora é sua vez de refletir aí sobre as promessas que te fez bem quebrar. ❤