Crônica

Pecinhas de Quebra-Cabeça

tumblr_litcadtvro1qh4tp8o1_500_large

Às vezes, somos quebra-cabeças complexos, não somos?

Quando comecei a estudar Relações Internacionais, eu queria entender um pouco mais sobre as pessoas também. Estou no processo de entendê-las.

Você já parou para pensar como as pessoas fazem parte de uma construção social…? A parte boa de sentar na janela é ter vista para a rua. Eu gosto de ver como tantas pessoas num mesmo ponto de ônibus têm rotinas diferentes ainda que estejam indo pelo o mesmo caminho.

Penso que compreender as pessoas como construção social seja importante para olhá-las com carinho. Cada pessoa tem sua história. Cada pessoa está buscando seu lugar no mundo. Cada pessoa é uma pecinha de quebra-cabeça que nem ela vai entender até que ele seja montado (e se for).

O quebra-cabeça corresponde às nossas relações com outras pessoas e mundo. Com algumas peças, não adianta: não encaixa. Estamos tão apressados para sermos montados, para descobrir como será nossa vida, que deixamos de nos perceber como uma pecinha entre tantas outras.

Minhas relações pessoais são extremamente complicadas. Apesar de eu gostar de conhecer todo mundo, eu não me dou bem com a maioria das pessoas. Sou de poucas relações. Eu sou só uma pecinha e não depende apenas de mim me encaixar. Não deveríamos perder tempo onde não estamos sendo bem-vindos. Certo? Certo…

E quanto mais desencaixes passamos, mais nos compreendemos. E podemos entender que fomos construídos ao longo da vida por nossas famílias, nossas escolas, nossas amizades, nossas escolhas, nossos caminhos e as surpresas da vida. E assim será: nosso formato se modifica e entendemos então que talvez seja a hora de mudar de quebra-cabeça.

Talvez, então, seja a hora de mudar de lugar, mudar o que acreditamos, mudar o que pensamos, mudar como nos comportamos, mudar aquilo que lemos, mudar alguns hábitos e até algumas pessoas das nossas vidas.

Nós somos complexos, agentes em constante construção, mudamos sim. Somos pecinhas em busca do nosso quebra-cabeça. E não existe apenas um no mundo. Nos conformar com um quebra-cabeça mal montado não deveria ser uma opção. Não se trata apenas do formado. Não se trata apenas de estarmos confortáveis ali. Não é porque encaixamos em algum que será aquele o único “certo” ou o “pra sempre”.

Anúncios
Crônica

Odeio sentir saudade

original

Saudade nunca me fez bem. Saudades me lembram coisas que fazem falta. E quando eu sinto falta de algo, me sinto incompleta, infeliz. Me tornei a pessoa que não cativa saudade.

Sempre me dou conta disso quando ouço pessoas contarem suas histórias e como a “saudade” se encaixa bem nelas. Não me identifico.

Meus professores mais conselheiros diziam: aproveita o ensino médio que é a época que você mais vai sentir saudade. Nunca senti. Odiava estudar assuntos que pra mim pareciam tão difíceis. Odiava me sentir fora do padrão na turma. Não tenho saudades. Nem um pouco.

Percebi então que eu deixei de me apegar com as pessoas do passado. É claro que alguns amigos marcam a gente e que a gente continua adorando apesar do tempo e distância. Mas eu parei de forçar uma aproximação que já não cabia bem. Acontece que as pessoas mudam, mudam de interesses e consequentemente é normal mudarem também de amizades.

Já notaram como existem pessoas que pareciam ser nossas gêmeas e com o passar dos anos não nos identificamos mais? Acho que isso acontece principalmente depois que escolhemos graduações diferentes.

Eu tenho carinho por algumas pessoas e alguns momentos. Mas não tenho saudade. O futuro é uma folha em branco que a gente escreve com o presente. Acho meio perda de tempo ficar sentindo saudade do que não volta.

Ah, quase me esqueço de falar o quanto odeio pessoas que dizem ter saudade (“como eu queria te ver de novo…”) de alguém mas não se dá o trabalho de fazer uma ligação ou pegar um ônibus para ver a pessoa. Falsa saudade me irrita.

Por fim, deixo claro. Odeio sentir saudade e, sinceramente, eu só quero que o futuro chegue logo. Ansiedade? Talvez. Que seja ansiedade pelo futuro, mas que não volte a ser depressão disfarçada de saudade do passado. Mas enquanto estiver ao meu alcance escolher: sobriedade para escrever o futuro com os pés no presente.

Crônica

O texto mais lindo sobre o Amor

33f1410bcba94be27add5b356334b433

 

Eu queria escrever o texto mais lindo sobre o Amor hoje. Eu não sei se você acredita no amor tanto quanto eu. Então eu gostaria que você abrisse seu coração e fechasse seus olhos para conhecer sobre o amor como eu vejo…

 

Há algumas semanas eu tive minhas piores crises de depressão. A depressão chega de mansinho. Mas a depressão chega tão de mansinho que muitas pessoas só olham com carinho para quem passa por isso quando a pessoa já se rendeu ao suicídio…

Começa como se você não estivesse sentindo nada, nenhuma dorzinha. Até que um dia, você já não sente vontade de acordar e ter um bom dia. Você perde o apetite. E acontece que uma hora, cedo ou tarde, você perde o que sente e se perde.

 

Eu perdi o amor.

E isso me custou muito.

 

As pessoas que gostam da gente dizem que somos fortes e vamos conseguir passar por isso! Elas dizem tanto isso que acabamos por (fingir) acreditar que realmente somos fortes. Mentira! A gente nunca acredita nisso e sequer deveríamos. Nós somos as pessoas mais vulneráveis e isso se torna duro de admitir. De onde vem a força se não vem do Amor?

Eu amava as pessoas que estavam comigo: a minha família, os meus amigos, o meu namorado. E eu sabia que essas pessoas também me amavam. Havia amor na minha vida. Mas tudo isso parecia pouco e eu parecia frágil… Por que quando eu sentia que tudo estava difícil demais eu me fazia sangrar?

Faltava um amor o qual eu não queria admitir.

 

Eu era orgulhosa demais para aceitar que eu não estava mais dando conta. Eu tirava notas boas, as pessoas falavam bem sobre mim, eu estava participando de projetos legais. Mas eu me sentia um fracasso! Sucesso algum supre a falta de amor? Somos um fracasso sem o amor.

Eu comecei a sentir saudade de quem eu era antes das crises começarem. Eu sentia saudade de como tratava bem as pessoas, de como eu tinha o propósito de melhorar as coisas ao redor, de como eu era uma pessoa gentil, de como eu acreditava nos meus sonhos. Principalmente: eu sentia falta de como dentro de mim existia um amor tão grande que transbordava!

Esse Amor é o que muitas pessoas costumam chamar de Deus.

Deus é abstrato pra mim. Eu nunca ouvi sua voz. Eu não consigo imaginar seu rosto. Mas é difícil demais passar um dia sem o sentir. Eu não sei explicar quem é Deus pra mim.  Isso porque eu não consigo ver Deus como uma pessoa. Então, Deus, pra mim, é o meu maior Amor.

E eu tenho um segredo para te contar: se “amor” te lembra uma pessoa, você está fazendo isso errado. Amor é grande demais para ser uma pessoa. Amor é o maior sentimento de todos os tempos e não depende das pessoas para morar você…

Eu deixei o meu orgulho. Eu cansei de me sentir péssima todos os dias. Eu desisti de sentir saudades. Eu olhei para mim e vi que não era quem eu queria continuar sendo. Eu olhei pra dentro de mim e lá no fundo, bem no fundo, eu pude sentir que ainda havia algo bom. Eu senti que ainda existia Amor. E esse sentimento transforma a gente de dentro pra fora.

Foi esse o Amor que veio transformando como eu me sentia, a minha vida, o meu propósito. Esse é o sentimento que cura o coração e faz a gente dormir como um anjinho mesmo depois de um dia ruim. E eu espero que a cada dia eu possa deixar esse sentimento crescer outra vez até que transborde e possa voltar a ser aquele pontinho de luz para as pessoas.

Talvez eu não seja tão boa com as palavras quando eu esperava. Se você for tão teimoso quanto eu era, não vai mudar de ideia. Mas o que eu espero de coração é que se em algum dia você se sentir perdido, sozinho e triste, você possa ler outra vez esse texto com carinho. E, se não for pedir muito, que você possa olhar para dentro de você e encontrar o seu amor.

Meu propósito em te escrever não é te converter. Meu propósito é te fazer sentir um pouquinho do que eu senti quando voltei a ouvir Rosa de Saron. Meu propósito é que você acredite que o Amor existe no coração de cada um que procura por Ele.

Crônica

Deixe ir

dream-autumn-autumnlt3-aztec-favim-com-656270_large

 

Tenha seu tempo e deixe ir…

Esse é um conselho de coração.

Eu precisava de um tempo. Eu precisava passar mais tempo comigo mesma. Sabe quando a gente tem um melhor amigo e de repente ele ficou longe?

Eu tenho um melhor amigo assim: o Natan. Ele mora no Ceará agora e eu continuo no Amapá. Ele tem mudado bastante e eu também. Mas quando conversamos, ainda é a mesma amizade, preocupação e carinho. É o sentimento mais verdadeiro que, apesar de muito se transformar, algo mais forte ainda nos mantém ligados. Isso não é lindo?

Pois bem, é como se eu tivesse passado uma temporada bem distante de mim e quase não me reconheci. Eu estava impaciente e estressada. Eu não aguentava mais estar perto das pessoas e só queria sumir quando estava sozinha comigo. Eu precisei encarar a nova pessoa que me tornei e percebi que eu sentia saudade de quem eu era. Eu era a minha melhor amiga, eu me amava.

Eu era tão gentil, alegre e doce. E por isso as pessoas gostavam de me ter por perto e eu gostava de retribuir. Mas eu também era boba! E enfim eu sinto como se agora eu pudesse encontrar meu novo ponto de equilíbrio. Algumas coisas de agora quero manter e outras do passado quero trazer.

E pra essa redescoberta eu me vi mais introspectiva e fechada. E ainda estou nessa fase: de falar menos. Se eu pudesse, entraria numa bolha, juro. É duro lidar com as pessoas, principalmente se elas não entendem. Então é necessário deixar ir quem quer ir. Deixe ir.

Deixei ir. Doeu? Muito. Passou? Sim… Eu já consigo ter nas lembranças as coisas boas, as coisas ruins estou deixando para trás. É tão bom lembrar de alguém, embora tenha me feito mal, e sorrir porque aprendi de alguma forma com aquela pessoa.

Então, fique bem e deixe ir.

Tenha seu tempo.

Se conheça.

Se cuide.

Se ame.

E se preciso deixe ir.

O amor tudo supera.

Quem ama volta.

Quem ama cuida.

E o amor tudo cura.

Crônica

Tudo o que eu ainda sinto

tumblr_static_1xnby5k1s1a88o44swgkcosoc_640_v2

Eu vivo estressada e cansada. Mais crua como nunca. Eu estou saturada das mesmas satisfações e fazer de conta que eu não me importo de receber ordens sempre. Eu estou entediada das pessoas. Em alguns momentos tudo o que eu queria era estar vivendo um grande amor. Mas essa é outra decepção.

Então, às vezes, eu me questiono como seria a vida sozinha. Queria provar do que é ficar completamente sozinha e independente não só em questão financeira como emocional. Eu queria redescobrir como é sair e não me preocupar em chamar atenção. Porque o que eu tenho agora é uma rotina metódica meio bagunçada correndo atrás de alguma coisa, qualquer coisa pra conseguir o que queria.

Eu sinto saudade daqueles telefonemas carinhosos sem preocupação com a hora… Que lembra o gostinho do último beijo. Eu sinto falta de como parecia mais simples e pra tudo se dava um jeito. Agora o jeito parece que é cair fora. Jogar fora. Jogar fora tudo o que eu ainda sinto? Sacanagem.

E é por isso, apenas por isso, que eu não me arrisco e não me jogo sem compromisso. Seria mais fácil se não tivesse saudade e estresse pela falta de demonstração de amor. Ainda fico aqui pensando como seria deixar tudo isso para trás e recomeçar. Não sei se teria estrutura ou responsabilidades o suficiente para me distraírem da dor da perda. Sigo confusa, estressada e cansada e também apaixonada.

Crônica

Deixar ser recíproco

tumblr_static_tumblr_m04dgaxyfw1rn6d36o1_500_large

Amigos são engraçados e curiosos. Um dia de sobriedade e eles estão bem aqui do lado e no outro dia, dia de crise, eles simplesmente seguem seus caminhos e abandonam. Eu não quero me sentir perdida por não os ter do lado. Qualquer animal é mais confiável do que as pessoas humanas. Eu não quero depositar novamente minhas alegrias em momentos de sociabilidade. Eu sou mais do que isso, melhor do que isso: autossuficiente.

Talvez eu tenha encontrado minha forma de resolver meus problemas: não incluir uma plateia neles. Eu lembro de várias vezes ter ido contar desesperada sobre como minha vida tinha ficado de cabeça pra baixo e nada adiantou. Ninguém é muito divertido quando está mal. Às vezes, tudo o que a gente realmente espera é um abraço e não a solução de todas as coisas. E é esse abraço que pode salvar um dia ruim.

E, enfim, eles se foram. Eu fiquei sozinha e doeu. Doeu demais nos primeiros dias. Eu me questionei por que eu nunca sou boa o suficiente para as pessoas. Mas a questão que cabe aqui é: por que eu não me basto? E ficar sozinha me fez entender que eu tenho sonhos grandes demais que dependem apenas de mim agora. Eu tenho um milhão de planos para fazer. Não vale a pena gastar energia confiando em falsas empatias. Eu mesma preciso sentir muito por mim em primeiro lugar.

E depois que dói não passa. Os problemas não desaparecem. A solidão muitas vezes assombra. Mas depois que dói a gente aprende a fazer curativo e vai cicatrizando aos poucos. Ontem mesmo eu voltei a conhecer pessoas na parada de ônibus. As conheci sem qualquer expectativa. Sem qualquer vontade de fazê-las minhas amigas. Apenas conheci. Acho que é essa direção que quero dar aos meus próximos relacionamentos: não me esforçar nem me doar tanto, apenas deixar ser recíproco.

Quero admitir a mim mesma que fazer sacrifícios pelos outros já não combina comigo. Eu sou apenas uma e um mundo inteiro. Se eu realmente quiser ter sonhos, isso pode me custar agora ser mais dura e racional com as coisas ao redor. A maioria das pessoas são assim… Mas no fundo eu espero sempre continuar com um coração bom para quem fizer por merecer conhecê-lo.

Crônica

Sobre respirar fundo e recomeçar

tumblr_static_n62mqsqp3rkc0c8wsowgs8k0_640_v2

Hoje foi um dia atípico. Talvez um dia “normal” para quem não sofre do mesmo mal que eu. Pois bem, eu estou me adaptando a minha nova rotina. Eu acordo bem cedo e levando às 8 da manhã. Às vezes, eu levando mesmo não querendo, caindo de sono literalmente. E cada vez que faço esse esforço, me sinto lutando para melhorar da depressão.

ACORDAR

É bem simples metaforizar para explicar: a depressão é um efeito dominó. De repente, eu não quero ou não consigo fazer nada e no final eu me sinto péssima por não ter feito o que deveria. Cada esforço do dia-a-dia vale a pena no final.

PRODUZIR

Logo, eu tomo café e me sinto confortável por ter silêncio e um lugar para estudar. E faço valer a pena. E recebo força no meu instagram de estudos. E isso tem sido uma fonte de energia bem importante para eu não abrir mão das coisas que acredito.

APARÊNCIA

Eu percebi, nos últimos dias, que eu ando totalmente desleixada com minha aparência. Eu pego a roupa mais prática e visto e não uso qualquer maquiagem. O que importa mesmo é o hidratante e o protetor solar. A questão é que eu não quero disfarçar o que tenho sentido mostrando uma aparência “boa”. Eu quero melhorar de dentro pra fora. O hidratante primeiro. É simples.

ALIMENTAÇÃO

Eu almoço rápido para não atrasar para aula e também reduzi minha alimentação. Isso me lembra que há algumas semanas eu tive uma crise de bulimia. Comer pelo menos um pouquinho me deixa satisfeita de dentro pra fora porque eu sei que quero me manter saudável para dar conta do dia e evito engordar – o que me deixa mal.

SOCIALIZAR

Depois disso, eu vou para faculdade. Existem pessoas que vale a pena fazer um esforço para falar. Existem pessoas pelas quais eu escondo minha dor para tentar sorrir. Não são todas. Eu não quero números por perto.

SOLITUDE

Eu me isolo. E isso não é motivo de choro. Eu sei que se eu precisar, eu posso mandar uma mensagem para algum amigo de verdade me ajudar. Eu me encontro sozinha. Lendo alguma coisa, ouvindo alguma música. Então, percebo que eu me sinto ótima por estar indo bem, por estar fazendo alguma coisa!

TRABALHO

É estressante lidar com os brigadeiros a distância. Eu gosto de participar de todo processo. Gosto de fazer cada um porque gosto de fazer bem feito. E hoje tinha tudo para dar errado a encomenda porque precisaríamos improvisar uma embalagem. E ficou mais linda do que uma se fosse comprada da loja.

AMOR

Eu me dei conta que se tivesse dinheiro, eu não me importaria de casar hoje mesmo com meu namorado. Eu me estresso quase todos os dias e desconto nele. Mas a verdade é que eu o amo mais que qualquer estresse e eu adoro quando faço ele sorrir. Ultimamente isso tem custado um pouco. Porém, no final do dia de hoje eu consegui!

E essas são algumas coisas que tem mudado na minha rotina. Hoje foi um dia para recordar sobre porque vale a pena respirar fundo e recomeçar a vida.