Poesia

O meu silêncio te agride

0

Escrevi ouvindo SYML - Body

 

O meu silêncio te agride

Eu estou gritando que eu te amo

Mas você não consegue me ouvir

Porque você está se afastando

 

Você está se machucando

E eu já não posso ser tua cura

Porque você está se afastando…

 

Você está se afastando

Eu te imploro meia-volta

Mas você não consegue mais me ouvir

 

Queria que você assistisse

Pela janela dos meus olhos

Como você fica linda surtando

Quando o meu silêncio te agride

 

E se eu tivesse sussurrado no teu ouvido

Que eu almejo me jogar do precipício

Quando o teu sorriso parece impossível

Você teria me dado mais uma chance?

 

Por você eu me tornei um anjo caído

E meu amor já não existe

Já não adianta correr para o início

Porque eu escolhi sangrar no teu lugar

Para em fim você ser livre

Comportamento, Crônica

Não seria amor, seria sacrifício

38626165_538727783227871_4540911786387308544_n

“Você é seguro o bastante para amar uma mulher que voa?” eu li no Instagram e fez todo sentido porque eu prefiro estar dancing on my own

Eu namorei por um pouco mais de um ano. Morei junto com pessoa errada por alguns meses. Investi meu tempo, minhas habilidades culinárias e a minha arte apostando que acabaria em casamento mas acabou comigo bêbada numa praça sozinha. Uma das piores ideias de todas foi cortar minhas próprias asas. Foi precipitado e eu me joguei do precipício sem saber como voar outra vez.

Quando eu contei para minha mãe, ela perguntou se fui eu que acabei. Eu queria questionar “acabei com o quê?”. Acho que ela não estava falando do amor e sim do relacionamento. Apesar de ter tomado a decisão, que cada um leve a meia culpa. Sem arrependimentos então porque já não posso mudar alguma coisa que não seja daqui pra frente. Mas ela disse que eu poderia  me humilhar e insistir para ele voltar atrás. Mas eu odeio seguir conselhos que não venham do meu próprio coração.

Já não tenho a mesma paciência e gentileza de antes. Eu não suporto a ideia de me imaginar discutindo uma relação de novo. E também não sou tão carente assim para esperar uma ligação antes de dormir. Descobri que eu não preciso de lembretes das coisas incríveis que eu posso ser. Eu só preciso de mim e ser eu. Isso é voar.

Depois de um final, existe um recomeço. Esse é um clichê que eu gosto. Porém, seria cafona demais para tatuar. Voltando ao assunto… Voar pra mim significa minha liberdade. E venho descobrindo que essa é uma das coisas mais importantes para ser feliz. Porque, pensando bem, tudo o que a gente faz nessa vida é para ser cada vez mais livre. Não faz sentido querer estar presa me sentindo presa.

Eu quero voar. Não significa que eu não quero nunca mais me apaixonar e que eu odeio o amor. Na verdade, agora não quero nada sério, não enquanto eu não estiver totalmente independente financeiramente. Mas eu quero uma pessoa segura o suficiente para voar comigo, no sentido literal mesmo: vários vôos, viagens e muito sexo – pra não cair no romantismo de dizer “amor”.

Não quero desculpas pra gente se desentender. Não quero ciúmes, não quero drama, não quero insegurança. Eu quero que você segure na minha mão e confie que se eu ainda não soltei a sua foi porque eu escolhi dividir pelo menos mais esse dia com você. Não quero promessas “para sempre” porque eu odeio mentiras e odiaria que continuássemos os mesmos daqui uns dois meses. Você consegue lidar com as minhas metamorfoses?

Eu quero te beijar até você fazer de conta que cansou de mim. Eu quero dormir com você e ficar admirando o seu rostinho antes de você acordar. Eu quero fazer do meu abraço o teu refúgio. Quero te mostrar que eu posso ser a pessoa mais amável do mundo inteirinho se você me conquistar de mansinho. E não precisa de tanto. Na verdade, não precisa fazer nada. Não quero que você se esforce tanto a ponto de não ser você. Não seria justo. Não seria recíproco. Não seria amor, seria sacrifício.

Crônica

Um amor que anestesia a dor

17021980_10211967035151984_1706889230532581811_n

Escrevi ouvindo Daughter - Shallows

Ontem, eu pude ver o ódio se aproximando. E você não estava do meu lado para me proteger. Não sei se faço isso tão bem: escrever o que sinto. Você imagina quão sufocante é sentir medo de ser você? Eu cresci como um passarinho que caiu do ninho. E você me cuidou e me deu um novo lar. Eu me sinto presa e mesmo sabendo que eu posso voar… Tenho medo de ir embora e te deixar mal, ou pior: que você me odiasse depois disso.

Mas ficar aqui é como não poder cantar porque você não entenderia o que eu quero expressar. Eu sinto que não posso fazer muito por você. Eu sinto que deveria te recompensar. Eu sinto que deveria cumprir meu papel de gratidão. Eu sinto que tenho uma dívida enorme com você, a qual eu pago todos os dias quando me esforço para ser um passarinho engaiolado nos seus padrões.

Ultimamente, você anda tão impaciente comigo… Parece que estou fazendo mais sujeira do que gracinha para te fazer sorrir. Eu cresci. Já não é tão divertido para nenhum de nós dois. Eu sei que está na minha hora de partir e é de partir o coração saber que, apesar de todos os gritos que eu vou escutar, isso vai te machucar e a mim também.

Eu vou sentir sua falta. Vou sentir muito por não ter conseguido dizer tudo o que você merecia ouvir. Não quero chorar pela falta de amor entre nós. Teu desprezo me enche os olhos de lágrimas e eu tenho asas para fugir dele. Eu tenho medo de você. É um medo que muitas vezes se confunde com o amor. Você me ensinou que o amor machuca. E enfim eu conheci um amor que anestesia a dor. Espero que algum dia você o encontre também.

Crônica

Me culpei no teu lugar

superthumb

Eu não sei exatamente quais as palavras que eu deveria usar agora. Eu senti meu coração partindo e vi cada pedacinho partindo de mim e indo atrás de você… Me sinto péssima por ter acreditado na tua promessa que me amaria independente de qualquer pausa ou fim. Procuro por todas as evidências que me provem mais uma vez de que você não é o mesmo. Acontece que parte de mim acredita que, na verdade, você sempre foi essa pessoa horrível que eu acabei romantizando enquanto esteve comigo.

Me sinto idiota por todas as vezes que te coloquei nos meus planos. Não existia futuro feliz se você não estivesse desenhado nele do meu lado. É como se você tivesse brincado de casinha comigo e, então, você sentiu pressa para crescer e cansou de mim: simplesmente decidiu que não seria mais eu quem ganharia teus sorrisos no tempo livre ao final do dia. Eu odeio como você me fez sentir a pessoa mais especial do mundo e de repente arrancou isso de mim.

Eu não sei mais como olhar o amor daqui pra frente. Tem sido difícil. Eu vejo pessoas passando por mim. E algumas delas tem tentando encontrar, de tantas maneiras, o caminho pro meu coração e eu me sinto tão perdida quanto elas. Talvez ele ainda não esteja no lugar de sempre. Eu me sinto péssima por não ser como eu era antes de você. Eu me sinto péssima por pensar uma, duas, infinitas vezes e nunca conseguir dizer sim mesmo pra alguém que seja tão diferente de você – e muito provavelmente melhor – parece fazer por merecer uma chance de verdade.

É tão caótico sentir que eu ainda queria te ver, talvez te tocar e certamente mandar você ir se foder. Você bagunçou meus sentidos e não quis ficar aqui pra me salvar do monstro que você me tornou. Eu me odiei por tantos dias e me disse coisas que eu não diria nem mesmo pra você. Eu me senti tão vazia. Eu me senti tão insuficiente. Me culpei pela tua ida. Me culpei pelos teus defeitos, pelos teus erros e pelas tuas mentiras. Me culpei pela culpa que não quis colocar em você. Me culpei no teu lugar. Me ocupei demais em te amar. Me perdi na hora de, pra mim, voltar.

Comportamento, Crônica

Eu antes de qualquer “te amo”

tumblr_ll7b6hy54n1qc38zjo1_500_large
Escrevi ouvindo The Police - Every Breath You Take

Eu adoro criar roteiros em momentos de solitude. E, nos últimos meses, eu tenho inventado uns planos tão meus e só meus sobre o lugar das coisas nos próximos anos. Venho pensando muito sobre como não importa o quanto as outras pessoas tentem me avisar o contrário: morar sozinha vai ser uma das fases mais legais, eu aposto!

A minha intuição dificilmente falha.

Então, eu me imagino dançando na frente do espelho enquanto tomo vinho com aquelas músicas particulares que só meus fones de ouvido sabem de cor.

Para algumas pessoas, fazer tantos planos sozinha pode parecer assustador e solitário. Mas, pra mim, significa liberdade. Não vou mentir: também adoraria estar apaixonada e, nesse dia, quem sabe, confiar o suficiente para pedir outra vez “dorme aqui em casa”. E ao mesmo tempo também não quero fazer do romance uma rotina de novo, não tão cedo.

Dessa maneira, eu fico com o plano A mesmo. Sozinha. Em casa. Na minha casa. Com vinho. Música. Plenitude. Sem desespero. Sem celular na mão. Um espelho para me lembrar que, em mim, existem outras coisas lindas para se tocar além do meu coração. Amor próprio. Autossuficiente. Maturidade. Eu, antes de qualquer “te amo”, em primeiro plano.

Crônica

Eu não sei jogar

d5636363e5cb90948a6a044b0e1cbb86

Quando eu começo a me envolver romanticamente, eu evito entregar meu coração. Fico me testando todos os dias para não perder a razão. Fico me desafiando a continuar independente emocionalmente: será que eu consigo ficar um dia sem falar com essa pessoa? Mas isso não é jogo. É só para manter o controle mesmo. É só para não deixar crescer uma paixão em vão.

Mas quando a pessoa é gente boa, beija bem e demonstra interesse: eu deixo todas as minhas regras pra trás e vou de coração aberto responder a mensagem. Eu deixo que a outra pessoa me conheça de verdade. Eu falo do que eu sinto e sobre a minha percepção do mundo porque eu tenho a impressão que ela vai passar uma temporada nesse meu coração e eu preciso apresentar os cômodos da casa a ela.

Quando chega nessa parte, o que costuma acontecer é: elas querem ir embora. Não sei se pelo TOC com a organização – pois eu realmente não sou de bagunçar os sentimentos. Eu só sei que elas vão escapando de fininho sem explicações expressas. Pra mim, é falta de interesse. Fico me concentrando para não as chamar de filhas da puta por jogarem comigo. Isso sim é jogo:

Primeiro você demonstra interesse. Faz a pessoa confiar em você. Mas, na verdade, nem tava tão afim. Aí você vai embora porque percebe que ela está se apaixonando. Você já conseguiu o que queria. Pelo o que mais você ficaria?

A verdade é que eu não jogo. Eu não sei jogar! Eu me protejo. É diferente. Hoje, eu sei lidar muito melhor com as decepções amorosas. Por isso eu tenho permitido me relacionar mais. Não significa que dói muito menos. Significa que eu entendi que passa. Dois dias e eu já estou a procura de uma próxima história de amor. Sabe, eu não me demoro mais onde não existe reciprocidade. Eu não posso mudar nem a mim mesma sobre a intensidade que costumo sentir, não vou me dar ao trabalho de fracassar tentando fazer isso pelas outras pessoas.

Crônica

100% compatíveis

Aşkın (500) Günü - (500) Days of Summer

Escrevi ouvindo Yellow - Coldplay

Da última vez que nos encontramos, você me tratou como se eu fosse o amor da sua vida! Você me olhou como se eu fosse a garota mais especial do mundo. E quando você me abraçou apertado, eu quis correr de você.

Corri do meu jeitinho sutil e evitei dizer que não estava tão na sua. Apesar de eu gostar tanto de escrever, as palavras não soam tão alto quando se trata da falta de interesse. O silêncio e a distância o deixam mais claro. Não quis mais puxar assunto com você ou me estender nas respostas para suas perguntas sempre tão curiosas. Perdi a paciência para ouvir tua voz por dois minutos seguidos. E precisei admitir: minha intenção não é ser o amor da vida de alguém que não seja a minha.

Imagina só… Você me tratando como o ar que você respira. Mas eu não sou imprescindível para você. Não quero ser a tua notificação mais esperada do dia – Deus me livre ganhar da notificação de quando o dinheiro cai na conta! Seria um peso enorme carregar a responsabilidade de ser tua alegria do dia a dia.

Você é um cara incrível. E deveria ter certeza disso. Nós somos praticamente 100% compatíveis: os heróis, as músicas, a ciência e os planos de viagem, eram muitas coisas mesmo! E você me provou que não existe uma fórmula certa para a minha próxima história de amor. Eu sinto muito por não ter me apaixonado por você… Talvez, você tivesse muito amor para dar mas o meu copo já estava cheio. O mistério deve ser este: não preencher ou transbordar, mas sim dividir.

Eu espero mesmo que você tenha a sorte de encontrar outras garotas que tenham a coragem de dizer que não querem nem merecem ser o amor da sua vida. Porque, acredito eu, que ninguém deveria encenar no papel principal do seu palco. Não é seguro confiar naquilo que se pode ir embora um dia. Você é demais. Mas quando se trata dos sintomas do coração: não é sobre compatibilidade, está mais para disponibilidade e um interesse estranho chamado paixão.